quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Chuva de verão

Hoje eu chorei. Por você, por mim, pelo que a gente fez da gente. Pelas esperanças que morreram, pelas palavras não ditas, pelos líquidos coagulados.

Chorei na tentativa de dar passagem às dores guardadas, aos afetos impedidos, aos blocos quase fechados. Senti os braços vazios, a boca seca, o coração gritando.

Eu hoje chorei por tudo que não fui. Por tudo que não foi ainda. Pelo que tá indo.

Chovi mais do que lá fora. Chuva de verão que lava enquanto escorre, que refresca ao pôr-do-sol.

E brinquei nas gotas como quando eu era criança e me molhava no quintal. "Se começar a relampejar, volta pra casa".

Hoje eu não quero voltar pra casa. Hoje eu vou construir uma casa no quintal, na chuva, na nossa liberdade, na esperança.

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom,adorei ! Aguardo ansiosamente por mais!

Anônimo disse...

Gostei!

Alexandre Brandão disse...

Gostei disso em especial:

"Hoje eu vou construir uma casa no quintal, na chuva, na nossa liberdade, na esperança."

Contador de Visitas